Cirurgia metabólica para diabetes? – Jornal do Brasil

Cirurgia metabólica para diabetes? – Jornal do Brasil

Será que a cirurgia metabólica, feita para controlar a diabetes, é uma boa opção? Muitas pessoas com dificuldades para esse controle da doença têm optado por esse atalho. Inicialmente haverá uma grande animação com melhoras laboratoriais e físicas, mas numa segunda fase começam a aparecer os riscos.

Ao longo prazo, os pacientes que realizaram esse procedimento começam a conhecer suas consequências e complicações, como hipoglicemia, úlceras, obstrução intestinal, hérnias e desnutrição. Isso só mostra que não estão tratando o diabetes com eficácia, porque não entendem a verdadeira causa da doença.

Essa epidemia é causada diretamente pelo nosso erro alimentar a base de produtos refinados, industrializados e pela falta de atividade física. Portanto, essa cirurgia para perda de peso não é a solução, e entendo que a deve ser sempre sua opção de último recurso.
A solução mais saudável

Nosso corpo não foi projetado para ingerir tantos carboidratos como fazemos hoje. Quando se ingere carboidratos, o pâncreas libera insulina para reduzir o açúcar que fica elevado no sangue. A insulina promove o envio do açúcar para as células, com o objetivo de obter energia.

Mas ao fazer isso com frequência e por muito tempo, seu corpo se torna resistente à insulina. Assim, chega o momento em que seu pâncreas não consegue mais produzir a quantidade necessária para vencer essa resistência celular. Consequentemente, as células não recebem energia e o açúcar se acumula na corrente sanguínea. O resultado? Diabetes!

Então, o ideal é equilibrar o açúcar no sangue usando uma abordagem natural. Ela envolve comer proporções adequadas de macro nutrientes, que garantem uma recuperação da função pancreática e sensibilidade à insulina. Vários estudos têm embasado cientificamente essa opção.

Dicas alimentares para acabar com o diabetes
1. Ingerir gorduras boas em abundância (70 a 85% das calorias), proteínas com moderação (15 a 20% das calorias), carboidratos (0 a 10% das calorias). Além disso, vegetais que nascem acima do solo em abundância.

Consumir proteínas:
•Carne, laticínios e ovos de animais criados à pasto
•Peixes de águas profundas

Evitar carboidratos:
Além dos mais óbvios como pão, massa, açúcar e alimentos refinados, evite também:
•Vegetais que nascem abaixo do solo como: batatas, inhame, nabo.
•Grãos: milho, soja, feijão e arroz.
•Frutas: pelo alto grau de frutose.

Pode-se fazer através da dieta keto ou jejum prolongado cíclico. No caso da dieta keto, é respeitar as orientações acima. No jejum prolongado cíclico, deve-se alimentar em uma janela de 8 horas e manter o jejum por 16 horas. Mas converse com seu médico antes de começar qualquer protocolo.

E não se esqueça de praticar atividades físicas. Uma boa opção é o exercício supra-aeróbico, que explico detalhadamente no meu e-book “Jejum Prolongado”. Basicamente, você o faz durante 20 minutos, 3 vezes por semana, alternando períodos de descanso com atividade intensa.

Mas seja como for, o importante é se manter ativo, fazendo algum exercício que você gosta, o que pode ajudar muito no controle da glicemia e diabetes. Supersaúde!

_______

Referências bibliográficas:
•Lancet. 2021;397(10271):293-304
•BMJ. 2021;372:m4743
•Livro 20 Minutos e Emagreça. Editora Gaia
•Exercícios Curtos Turbinam seu Aprendizado e Memória – www.DrRondo.com
•Os perigos das cirurgias gástricas para emagrecer – www.DrRondo.com
•Mais uma Pesquisa Mostra a Importância da Dieta Keto para os Diabéticos – www.DrRondo.com

Dr. Wilson Rondó Jr.
CRM RJ 52-0110159-5
Cirurgião Vascular de formação e Nutrólogo
Registro nº 058357

 

Viva Bem com Diabetes